Páginas

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Rabiolas - CIA Extraordinários


Programação da Feira do Livro, nesta terça-feira 3 de junho

10h 
Espetáculo de Teatro.
Rabiolas.
CIA Extraordinários
http://www.hangarcentrodeconvencoes.com.br/noticias_detalhes.php?nIdNoticia=894














Elenco: Bernard Freire, Clebér Cajun, Evelyn Loyola, Erik, Mônica Gouveia.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Projeto Reator Eterno - Olhar passageiro do centro

A gente vai se aproximando do centro da cidade e sentido a mudança de todo o espaço na retina de um olhar distante em que o reflexo da mudança nos deixa em níveis baixos e altos nesse chão extenso.  Parece o efeito da vida, mas só que jogado nos muros, nas árvores das calçadas que pulam em barreiras de concretos, nos fios elétricos embolados, nos postes riscados e nos detalhes em grão que dividem as casas. Tudo se separa em um ordenamento simultâneo das cores, nas lajotas que desenham um som de silencio e na memoria dos portões e grades que se misturam ao tempo que nem a rua batida de asfalto e a areia suspensa nesse ar.


Aqui vemos uma constelação de chão que nos encobre ao caminhar próximo da calçada maior que o muro; vamos olhando pra cima dela onde o alto do bode permanece ao comportamento da cidade e no mesmo lugar frequentado pela movimentação dispersa desse território que se sustenta no passar dos dias. Por entre as ruas e cores das casas, por entre as informações que atingem os pensamentos e sentimentos carregados pelos moradores, o novo e o velho vão se decompondo e crescendo numa raiz histórica de São Brás. Aqui a árvore erguida em ferro europeu abastece a condição física desse lugar tal qual um rio de uma região; ela se eterniza nesse lugar de terra vivido por toda Belém atingido o envelhecimento prolongado do tempo.


A vida aqui se encobre no escurecer do dia, no calor por debaixo das mangueiras, no mudar da rotina de cada hora. O silencio dessa mudança se evapora nos olhares despercebidos das pessoas e das condições de trabalho de todos os figurantes dessa cena real. A organização do espaço-tempo desconstrói a realidade, busca sonhos, se move no avanço ausente da cidade, realiza projeções de um novo centro adepto a capital. Entre fronteiras periféricas e urbanas essa parte enobrece o rendimento vizinho e desenha o observar da cidade numa composição de prédios e casas que perdem a harmonia em lembranças de outros lugares do mundo.

Aqui a estrutura dos bairros se divide por ruas e conexões de vidas guardadas no casulo familiar que vivenciamos nesse estado de agora que corre junto às voltas do planeta. O tempo vai deixando nos lugares o resto das lembranças que as pessoas perdem por necessidades de viverem e em meio às transformações alguns ainda sustentam os sentimentos que se atribuem ao comportamento simultâneo do cotidiano. Os espaços vagos acolhem os matos pelos cantos das paredes e o comercio das calçadas empurra o sabor em sombras guardadas pelo calor.



Os dias escondem um segundo centro de um lugar do norte que se propaga por dimensões de chão plano, abriga o moderno em meio à floresta de pedras e árvores que misturam o comportamento de São Brás e Fátima na ação passageira de Belém. Nessa cartografia, a cidade se acolhe em dois bairros disfarçados de detalhes que complementam cada rua, muda o ambiente e fazem as casas irem esquecendo a composição do lugar junto aos quintais invisíveis que existe atrás de cada uma. Nessa paisagem vivenciamos o comportamento absurdo suspenso pelo tempo, pela memoria e o esquecimento causado pelo fluxo que se fecha na noite entre os bairros. 


Imagens: